28 janeiro 2020, 15:29
Crédito: Divulgação

Dicas de banho e proteção solar para cuidar de seu bichinho

Trazendo os dias mais quentes do ano, durante o verão, devido as pessoas aumentarem a quantidade de banhos diários buscando se refrescar, surge o questionamento se o mesmo deveria se fazer com os cães, entretanto, por mais que existam raças que são mais sensíveis à luz do sol, os cachorros não suam como os humanos e, assim, esse aumento na frequência das duchas passa a ser uma escolha do próprio dono. Com suas trocas de calor se dando pelas patas e língua, Ricardo Cabral, veterinário, explica que: “nessa época do ano as brincadeiras com água são bem-vindas, mas não precisa necessariamente aumentar a frequência dos banhos”.

Como exemplo dos humanos, ao passar um dia no parque é importante passar o protetor solar, que de fato evitarão queimaduras ou mesmo doenças, como o câncer de pele, já que os cachorros também não são imunes aos raios ultravioletas. Sem restrição, todos os tipos de cães beneficiam-se do protetor, sendo os de pelagem curta, branca e de pele clara, os mais sensíveis, que devem receber proteção havendo sol ou não. Sobre a frequência de banhos o aumento não deve acontecer sem a consulta com um veterinário, já que nem mesmo o excesso de banhos é saudável para o seu pet, sendo recomendado que os cães pequenos passem pela ducha a cada sete dias, enquanto os maiores precisariam de um intervalo de 15 dias.

Ricardo aponta que a regra mais importante é usar produtos de higiene canina. “Muitos tutores acabam utilizando o seu próprio shampoo ou até mesmo barra de sabão de lavar roupas, mas isso não é bom para o cachorro. Além de ressecar a pele e provocar alergia e irritações, o uso de produtos inadequados pode também causar um desiquilíbrio de óleos nos pelos, criando um ambiente ideal para bactérias, parasitas e vírus”, explica.

Mesmo na proteção solar, deve se evitar usar os produtos comuns em pets, pois estes apresentam diferentes componentes químicos, não sendo tão eficazes e deixando margem de intoxicação ou mesmo reações alérgicas caso o cachorro dê uma lambida do produto. Até mesmo as características da pele de seu bichinho deve ser levada em conta na hora dos cuidados no verão. “A pele também deve ter atenção especial. Se ela é seca, por exemplo, procure por um shampoo hidratante. Se é oleosa, um shampoo que controle a oleosidade”, ressalta Ricardo Cabral”.

“Os shampoos caninos possuem funções de desembaraçante, antiqueda, manter a cor natural do pelo, entre outras. Portanto, identificar necessidades comuns a cada tipo de pelagem facilitará na hora de comprar o produto”, comenta ainda.

Aplicação:

Semelhante ao produto usado pelos humanos, espalhe o filtro por todo o corpo do pet e dê atenção especial às partes onde não há muito pelo, como focinho, orelhas e barriga. Tome muito cuidado com as partes extremamente sensíveis, como a região dos olhos e nariz.

Segundo indicação, além de optar por produtos de rápida absorção, é necessário aplicar 30 minutos antes de expôr o pet ao sol, sendo que em locais de exposição constante, é necessário reaplicar de três a quatro vezes ao dia, mesmo que seja no quintal de casa ou na varanda.

Consulte seu veterinário para informar-se sobre a frequência adequada, segundo a espécie do seu cachorro. Em raças com pelagem dupla – composta de duas camadas para proteger o pet do calor e do frio – pode ser que haja necessidade do uso frequente de protetor.

Veja também

Infectologista pediátrica chama a atenção para a imunização

É difícil imaginar que, há algumas décadas, era comum que as pessoas morressem por doenças …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *