24 janeiro 2020, 17:07
Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Petrobras:Não se justifica controle de preço do combustível

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, concluiu que, o preço dos combustíveis tem que ser tratado como o de qualquer outro produto e não se deve definir periodicidade para os reajustes. Para o executivo, a atual política de preços é positiva para a companhia e para o Brasil.

“Tem periodicidade para o preço da carne. O preço da carne deu um salto com o choque de oferta. E aí? Vamos fazer periodicidade e controlar o preço da carne? Não vai porque o controle de preços pertence ao museu de armas falidas contra a inflação há muito tempo”, disse o presidente.

“Não se justifica nenhum controle de preços de combustíveis, periodicidade. Deixa o mercado livre”, acrescentou.

O presidente disse que não tem “a menor preocupação” com uma possível deflagração de greve dos caminhoneiros, em consequência dos preços do diesel como ocorreu no governo Temer. De acordo com Castello Branco, o problema da categoria é um excesso de oferta dos serviços causada da expansão irresponsável de crédito do BNDES especificamente entre 2008 e 2015.

Segundo o presidente da Petrobras, não adianta seguir o sistema de preços venezuelanos como tentativa de baratear o custo do diesel.“O problema deles [caminhoneiros] é excesso de oferta, se cobramos diesel a preço venezuelano não vai resolver problema nenhum, só vai criar problemas. Eu espero que esse problema tenha sido resolvido, a questão deixada no passado e os preços sejam livres”.

Castello Branco lembrou que os preços do petróleo são livres desde 2002, quando se completou o período de cinco anos estabelecido pela lei do petróleo aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso em 1997. “Então é lei e vamos obedecer a lei”, assegurou.

(Texto: Izabela Cavalcanti com informações da Agência Brasil)

Veja também

Petrobras reduz preço da gasolina e diesel em distribuidoras

A Petrobras confirmou nesta quinta-feira (23) que vai reduzir em 1,5% o preço da gasolina …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *