24 janeiro 2020, 15:25
Bruno Rocha/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Ministro Luis Fux dá palestra no Congresso Estadual do MPMS

O 9º congresso estadual do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso Sul) recebeu na bancada dos palestrantes o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Luís Fux e o Procurador-geral de Justiça do Estado, Paulo Passos, que comentaram sobre a atuação do MP perante o novo CPC (Código de Processo Civil).

Luís Fux falou sobre o início da carreira e como enxerga o Ministério Publico como sua ”casa” e ressaltou a sua gratidão com o Brasil, pois apesar de ser filho de imigrantes, se sente no dever de defender a nação aonde cresceu e se profissionalizou. Os pontos defendidos pelo futuro presidente da corte é que o novo CPC se faz presente, mostrando que a Justiça ganhou visibilidade e as pessoas passaram a entender que a impunidade acabou. ”A sociedade já consegue entender que não há benefícios no crime, uma coisa não minimiza outra. Precisamos continuar com esse ideal de combate à corrupção, se indignando mesmo com hospitais sem leitos, que escolas fiquem sem merenda, entre outros. Temos que bater na tecla, pois o corruptor e o corrupto não tem ideia das áreas onde eles afetam e isso precisa acabar”.

O ministro pontuou sobre a Constituição, afirmando que a mesma foi redigida sobre ”valores morais” e que a sociedade está se conscientizando sobre isso. Dentre os outros assuntos abordados na palestra, Fux também foi em defesa do auxílio-moradia, e destaca como foi concedido aos magistrados que atuam fora da cidade onde moram e, em 2014, o beneficio passou a ser ofertado no valor de R$ 4.377,73, e foi estendido para os membros do judiciário.

Ao encerrar a palestra, Luís disse que o país passa por uma fase de transição, repleto de escândalos de corrupção e destacou que ”o Brasil nunca mais vai voltar a ser o que era”, estimando que a união das forças conseguirá reerguer a nação, tendo a conscientização de que quem manda é o povo. (Graziella Almeida)

Veja também

Ponta Porã recebe recursos no valor de 25 milhões de dólares

O prefeito de Ponta Porã, Hélio Peluffo (PSDB), e o procurador do município, Ricardo Soares …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *