12 dezembro 2019, 1:20
Crédito: Divulgação

Governador faz balanço e mantém boa expectativa para 2020

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) apresentou balanço do primeiro ano do segundo mandato ontem (2) e salientou ao sul-mato-grossense que medidas duras e que por vezes soaram impopulares foram necessárias para manter a administração, folha de pagamentos em dia e compromissos do Estado. Apesar de o país não ter tido o crescimento esperado em 3% a expectativa para o próximo ano é boa, segundo Azambuja.

“Tínhamos projeções de 3% de crescimento esse ano, porém tivemos um pouco menos de 1%. Teve uma série de circunstancias que nos obrigou a fazer certos ajustes no Estado. Apesar disso, vejo um horizonte bom, tivemos pautas e medidas amargas e vista até como impopulares por alguns setores, mas necessárias para a gente fazer o planejamento, e anunciar pagamento salarial e investimentos em nos setores. Até agora nós conseguimos cumprir com as obrigações”, explicou o governador.

O mandatário citou que uma das fontes de riquezas do Mato Grosso do Sul originadas do ICMS do gás foram reduzidas e a administração teve que tomar decisões para amenizar a perda e captar recursos.

Dentre as medidas estão o ajuste na manutenção das alíquotas do ITCD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação), que terá índice em caráter definitivo de 3% nos casos de doações e de 6% nas transmissões causa mortis a partir de 2020. Readequação de alíquotas do ICMS do álcool de 25% para 20%, gasolina que passou de 25% para 30% e readequação de valores do Fundersul (Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário), como políticas fiscais necessárias.

Conforme Azambuja, os valores do Fundersul foram readequados para haver mais investimento, já que o Estado é responsável pela metade do depósito do fundo e outra metade é de responsabilidade dos produtores. “Com o aumento do valor recebido teremos mais investimentos, como rodovias, pontes de concreto, pontos de acessos para ligar regiões e escoar a produção. Então é extremamente relevante o que foi feito”, diz.

Investimentos futuros

O Governador destacou o projeto Governo Presente e disse que possui um total de mil demandas dos 79 municípios. As solicitações são principalmente em infraestrutura, saúde e educação.

Diante das demandas, Reinaldo adiantou que nos próximos três anos, valores do Fundersul serão utilizados para a pavimentação asfáltica de 800 quilômetros de vias, construção de 130 pontes de concreto, acessos a rodovias e regiões afastadas para escoamento de produção, 700 quilômetros de rodovias reconstruídas, reforma da malha viária e investimentos nos municípios.

Ele destacou a entrega de seis hospitais polo regionais, ampliações de outros hospitais do Estado, investimentos em segurança pública com reforço de servidores, Delegacias, entrega de dois presídios completos, seis ampliações em presídios existentes, armamento das forças policiais e viaturas.

Está previsto também a construção de novas unidades do Detran (uma em Três Lagoas) e ampliação de prédios pequennos. Na educação o projeto é instalar 181 escolas em tempo integral até 2024.

“Um ano extremamente difícil e tomamos as medidas necessárias para o equilíbrio. O estado hoje tem condições de fazer investimentos. O planejamento foi montado, nós ouvimos as 79 cidades e temos catalogados mil pedidos em diversas áreas que estão contempladas no Governo Presente e estamos finalizando o planejamento do que foi tratado nas reuniões e a finalização para levar essas obras aos municípios”, finalizou.

(Texto: Andrea Cruz)

Veja também

Prefeitura pretende oferecer desconto no IPTU

O projeto da Prefeitura, o Programa Campo Grande Solar que ainda passa por votação na …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *