9 dezembro 2019, 20:17
Foto: Reuters

84% dos jovens brasileiros não praticam exercícios, diz OMS

Estudo divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta sexta-feira (22) revela que quatro em cada cinco adolescentes no mundo são sedentários. A pesquisa elaborada entre 2011 e 2016, revela que no Brasil 84% dos jovens entre 11 e 17 anos não praticam uma hora diária de atividade física.

De acordo com informações da Agência Brasil, a OMS aponta que uma das causas desta tendência é a “revolução digital”. O documento foi publicado pela revista The Lancet Child & Adolescent Health.

O estudo, envolveu 1,6 milhão de estudantes de 146 países e constatou que 81% dos jovens entre 11 e 17 anos escolarizados não cumpriram a recomendação de uma hora diária de atividade física em 2016. A situação é mais grave entre as meninas já que elas representam 85% e os meninos, 78%.

Atividade física

De acordo com o documento, os níveis de atividade física insuficiente observados entre os adolescentes permanecem extremamente altos e isso representa um perigo para sua saúde atual e futura. “É necessário adotar medidas regulatórias urgentes para aumentar a atividade física e, em particular, promover e manter a participação das meninas”, diz a Dra. Regina Guthold (OMS), autora do estudo.

Dentre os benefícios à saúde de um estilo de vida fisicamente ativo na adolescência, vale destacar a melhora da capacidade cardiorrespiratória e muscular, a saúde óssea e cardiometabólica e os efeitos positivos no peso. Da mesma forma, há evidências crescentes de que a atividade física tem um efeito positivo no desenvolvimento cognitivo e na socialização. Os dados atualmente disponíveis indicam que muitos desses benefícios permanecem até a idade adulta.

Para alcançar esses benefícios, a OMS recomenda que os adolescentes pratiquem atividade física moderada a intensa por uma hora ou mais por dia.

(Texto: Jéssica Vitória com informações da Agência Brasil)

 

Veja também

Estimativa para inflação sobe para 3,84% este ano

Pela quinta vez consecutiva, as instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC), aumentaram a estimativa …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *