15 dezembro 2019, 21:06
Foto: reprodução

Cobre fecha em alta com sinais de avanço entre EUA e China 

Os contratos futuros do cobre fecharam em alta nesta terça-feira (19), em meio a sinais de avanço nas negociações entre Estados Unidos e China para a assinatura da chamada “fase um” do acordo comercial entre os dois países.

O cobre para dezembro avançou 1,39%, a US$ 2,6565 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), e o cobre para três meses subiu 0,77%, a US$ 5.875,00 a tonelada, na London Metal Exchange (LME).

No início da tarde, a Bloomberg informou que americanos e chineses usarão um acordo que era negociado em maio, mas que não chegou a ser fechado, como base para decidir a magnitude do alívio tarifário que fará parte do pacto comercial em andamento.

Já o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou estar “muito feliz” com as negociações com Pequim, mas ameaçou impor tarifas maiores ao país asiático caso não se chegue a um acordo. Informações sobre a guerra comercial sino-americana e a economia chinesa tendem a afetar o metal básico porque a China é o maior comprador mundial de cobre.

Os contratos do cobre também são apoiados por expectativas de que o Banco do Povo da China (PBoC) aumente os estímulos à economia, após a autoridade monetária ter cortado ontem o juro para operações de recompra reversa de sete dias pela primeira vez em mais de quatro anos.

Os investidores acompanham, ainda, o evento Asia Copper Week, que ocorre em Xangai e no qual mineradoras e fundidoras geralmente definem taxas de processamento e refino para o ano seguinte.

Além disso, fica no radar a situação política do Chile, onde os protestos já duram mais de um mês. Segundo análise do UBS, “há risco de haver um impacto significante [para o mercado de cobre] caso a situação se deteriore”, dado que o país sul-americano responde por 30% da produção mundial do metal básico. Até agora, no entanto, o efeito foi “modesto”, de acordo com o UBS.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o alumínio fechou em queda de 0,40%, a US$ 1.731 a tonelada, o chumbo subiu 2,02%, a US$ 1.993 a tonelada, o níquel registrou baixa de 1,04%, a 14.690 a tonelada, o estanho caiu de 0,84%, a US$ 15.925 a tonelada, e o zinco perdeu 0,38%, a US$ 2.342,50.

(Texto: Isto É)

Veja também

Acordo EUA-China ajuda Brasil em investimento, diz Troyjo

O alcance de um acordo comercial entre Estados Unidos e China é algo positivo para …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *