3 agosto 2020, 13:24
Crédito: EPA / Ansa

Criadores de baterias de celulares ganham Nobel de Química

Nesta quarta-feira (9), o prêmio Nobel de Química 2019 foi entregue a três cientistas que conquistaram a honraria por suas contribuições ao desenvolvimento das baterias de íons de lítio, usadas hoje em celulares, notebooks e carros elétricos.

Em um comunicado, a Real Academia de Ciências da Suécia, responsável por designar os vencedores, disse que as baterias de íons de lítio “revolucionaram nossas vidas” e criaram um “mundo recarregável”.

Segundo a nota, Goodenough, Whittingham e Yoshino lançaram as bases de uma “sociedade sem fio e sem combustíveis fósseis”. Essa tecnologia tem suas raízes na crise do petróleo da década de 1970, quando Whittingham trabalhava para desenvolver métodos alternativos à energia gerada por combustíveis fósseis.

Os três cientistas dividirão um prêmio de cerca de R$ 3,7 milhões.

Goodenough, 97 anos, nasceu em Jena, na Alemanha, e trabalhou nos Estados Unidos a partir de 1952, primeiro na Universidade de Chicago e depois na do Texas. Ele se tornou a pessoa mais idosa a receber o Nobel.

Whittingham, 78, é do Reino Unido e lecionava na Universidade de Oxford, mas depois se transferiu para os EUA, onde deu aulas na Universidade de Nova York. Yoshino, 71, passou pelas universidades de Osaka e Meijo. (Texto: Jean Celso com informações do Portal Terra)

Veja também

Causa de novo surto de coronavírus na China precisa ser estudada

As origens de uma nova alta nas infecções pelo novo coronavírus em Pequim não são …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *