23 outubro 2019, 13:44
Valentin Manieri

Quase 4 mil manifestantes vão às ruas apoiando Paralisação

Professores e administrativos de escolas públicas, alunos, apoiadores e cerca de 30 sindicatos de Campo Grande aderiram a paralisação nacional contra a reforma da previdência e cortes de verbas para educação que ocorreu hoje (13). A concentração com aproximadamente 4 mil manifestantes ocorreu na Praça Ary Coelho. E ainda, das 292 escolas públicas de Campo Grande, aproximadamente 200 não tiveram aula, segundo as instituições que representam os professores.

O Presidente da FETEMS (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Jaime Teixeira, afirmou que os cortes na educação é um grande prejuízo que afeta todos os níveis escolares. “Com esse último corte agora que passou de R$1 bilhão somado ao longo do ano são R$7 bilhões que foi retirado da educação pública, isso atrasa a universidade, atrasa a educação básica, atrasa a educação infantil, Esses cortes vão atrasar por mais uma década a universalização da educação básica no Brasil”, garante.

Ana Maria, de 38 anos, é professora e faz 16 anos que trabalha na rede municipal. Ela é contra a reforma e acredita que os cortes de verba pode precarizar a educação básica. “A reforma da previdência afeta diretamente os profissionais poque acaba com aposentadoria especial, a aposentaria especial era 25 anos em sala, hoje não existe mais isso. E o contingenciamento de verba isso atinge diretamente o trabalho que a gente presta ao filhos dos trabalhadores. Aqui nos temos uma situação a nível estadual redução do salários dos professores convocados e efetivos e a nível municipal a retirada dos profissionais que trabalhavam com a criança inclusa em sala de aula”, declara.

A ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública) também participou da paralisação em defesa da escola pública, inclusive a instituição fez uma passeata no centro, saíram da sede do Sindicato, passaram em frente a Prefeitura e seguiram para a praça Ary Coelho, onde os quase quatro mil associados, conforme o presidente, Lucílio Nobre, se juntaram aos outros manifestantes.

“Nós passamos pela Prefeitura para deixar um recado para o prefeito, Marquinho Trad, de que ele não mexa com os nossos direitos e que tudo que ele for fazer relativo a educação que ele debata com a categoria. Teve um aumento de 11 para 14 na alíquota não ouve debate preliminar conosco, teve a retirado dos APEs (auxiliares de educacional especializado), nós falávamos para ele que a retirada assim de forma bruta ia implicar na melhoria da qualidade de ensino”, assegura. (Rafaela Alves)

Veja também

Professores criam aplicativos pedagógicos para crianças

Os professores das escolas municipais REME, passarão a utilizar aplicativos durante as aulas para incentivar …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *