Vacina e flexibilização da lotação animam setor de bares e eventos

Bares

Novas regras permitem ocupação de até 50% da capacidade do local

Um dos setores mais atingidos pelas medidas restritivas durante a pandemia foi o de bares, restaurantes e eventos. A queda no faturamento chegou a 85% no Estado. As empresas ficaram por meses sem realizar atividades. Muitos clientes tiveram de esperar pois seus eventos ultrapassavam o limite de pessoas permitido. Outros, mesmo após flexibilizações, ficaram receosos e cancelaram os compromissos, causando prejuízos e até falência de empresários do setor.

Agora, a esperança retorna de dias melhores com decreto do governo de MS autorizando as empresas prestadoras de serviços de eventos esportivos, corporativos e sociais em Mato Grosso do Sul a atender seus públicos com até 50% da capacidade total do local.

Atuante do ramo de eventos, a proprietária do Buffet Open Fest Versality, Maria de Lourdes (Malu), compartilha os desafios enfrentados e comemora as novas regras dizendo que o sentimento é de esperança pela retomada. “Eu tive de dispensar três funcionários. Houve um impacto muito grande. A esperança é que as coisas melhorem a partir de agora. Estamos totalmente prejudicados, pois o governo e o presidente não nos ajudaram, ficamos a ver navios e cada um se virou como podia. Agora, para reerguer novamente será difícil”, desabafa.

Malu comenta que já adota as medidas de biossegurança e continuará usando-as a fim de garantir a proteção das pessoas nos eventos. Ela diz que utiliza “placas de identificação, máscaras, luvas, álcool gel, tapete higiênico, totens, aferição de temperatura e distanciamento das mesas”. 

A empresária informou que, em razão das regras de limitação de pessoas, clientes não efetivaram contratos, pois demandavam uma quantidade acima do permitido. Agora, com as novas diretrizes estaduais, Malu espera que haja uma evolução em todos os sentidos para que ela possa recuperar os danos sofridos.

Vacinação

Paralelamente aos eventos, outro setor atingido pela crise atual foi o de bares e restaurantes. Os estabelecimentos ficaram fechados logo no início da pandemia e ainda enfrentam reduções no horário de funcionamento. A chegada da vacina a Campo Grande gerou expectativa em quem trabalha no segmento e já mostra resultados positivos.

Juliano Wertheimer, presidente da Abrasel em MS (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), confirma que houve uma percepção diferente da frequência de alguns públicos. “O que percebemos foi um retorno de clientes de mais de 60 anos, principalmente. Eles fazem parte dos grupos prioritários na vacinação”, explica.

Na Capital, mais de 327 mil pessoas já foram vacinadas contra a COVID-19. O número representa 41,6% da população do município. A quantidade de indivíduos que já receberam as duas doses da vacina está em 81.547.

O presidente da associação ainda pôde falar sobre as novas regras que dão aval para mais pessoas em eventos. “Isso é muito bem-vindo. O setor de eventos, junto ao dos bares e restaurantes, foi um dos mais atingidos na pandemia. Os hotéis da cidade dependem da locação das salas de eventos. Sem isso, o faturamento vai a zero. Agora, haverá novos empregos, como manobristas, equipe de som e montadores. É uma excelente notícia para o setor de eventos”, celebra Juliano.

A atividade das academias é outra preocupação e motivo de desejo de flexibilidade quanto à ocupação nos espaços. Proprietária da rede Cross Open, Kelly Trindade opina sobre o assunto. “Qualquer alteração no setor econômico, seja em eventos, comércio, varejo, serviços, implica. Porque o público da academia é o mais variado possível. E se este não trabalha, não há clientes para nós. Eu entendo que a mudança pode impactar de forma positiva, mas, se um evento pode acontecer, as academias também deveriam ter essa flexibilização”, sugere Trindade.

Reunião 

Nesta segunda (17), o Sistema Fecomércio-MS, a Fiems, a Abrasel e as secretarias de Infraestrutura e Desenvolvimento Econômico farão uma reunião de ajustes para definição de estratégias sobre a retomada da economia para o segmento de bares e restaurantes de MS. É esperado que sejam discutidas alternativas à situação financeira dos empresários do ramo a fim de auxiliá-los com recursos de liberação de crédito, redução de impostos, flexibilização na legislação, por exemplo.

(Texto: Felipe Ribeiro)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *