Série “O Vidente” não previu uso de Cloroquina nem COVID-19

 Influenza, Gripe Aviária, Gripe do Frango e Sars (síndrome respiratória aguda grave) são vírus que apavoraram o mundo em outras épocas. Em 2002, A Sars (SARS-COV) também saiu da China para sacudir o planeta e foi a base do roteiro do 14º episódio da segunda temporada de The Dead Zone, traduzido no Brasil como O Vidente, exibido em 13 de julho de 2003 (No dia 05 de julho a OMS declarou que o vírus já estava contido). O que significa que este coronavírus nada tem a ver com as proporções e contágio do novo coronavírus. Além disso, a Cloroquina era um medicamento que estava em fase de estudos para averiguação de sua funcionabilidade em outras doenças fora a para qual foi criada: Malária.

De acordo com um estudo publicado em 2014 na revista especializada East Asian Arch Psychiatry, a Sars provocou quase 800 mortes e 42% dos sobreviventes desenvolveram algum transtorno mental. De acordo com o estudo esta epidemia entre 2002 e 2003 provocou doenças mentais. Houve pânico nas mesmas medidas, mas quatro anos depois 42% dos sobreviventes apresentaram sequelas com algum transtorno mental.

Foram 54,5% com transtorno de estresse pós-traumático e 39% com depressão. Então, mesmo que as palavras coronavírus e cloroquina tenha sido usadas por personagens no episódio, não era uma previsão, era algo que acontecei e havia matado 800 nos dois anos que percorreu 30 países pelo mundo.

Aliás, a SARS-CoV é da mesma da SARS-CoV-2. São quase 80% do material genético compartihado. Ou seja, tudo é muito semelhante.

Já a cloroquina começou a ser usada em 1934 para prevenção da malária e doenças autoimunes. Em 1955 foi a vez da hidroxicloroquina. Os cientistas estudavam o uso destes medicamentos para AIDS e SARS, inclusive tem um no site da revista “Lancet” de novembro de 1955. E o ponderamento do assunto era: “Baseado nos efeitos da cloroquina/hidroxicloroquina em vários vírus encapsulados e na ativação imune, levantamos a hipótese de que esse medicamento talvez tenha alguma utilidade para o manejo clínico da SARS”

Até hoje não há nada concreto sobre as medicações, a não ser que se mostrou ineficaz na pós-exposição e em pacientes hospitalizados. Já para prevenção em pacientes no início do contágio, os estudos ainda não foram concluídos.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *