Projeto audiovisual traz contação de histórias de obra feminista

IMG-20210608-WA0041

“Temporada Mulheres que Correm com os Lobos”, é o novo projeto artístico e audiovisual produzido pela diretora e atriz campo-grandense Thathy DMeo. Com atuação de Tatiana de Conto, arteterapeuta, o projeto utiliza de uma linguagem híbrida e da contação de histórias, para enviar uma mensagem de reflexão sobre o universo feminino.

A obra da psicóloga norte-americana Clarissa Pinkola Estés, “Mulheres que correm com os lobos”, reconhecida como uma das obras mais importantes dentro do estudo sobre o feminismo, serviu de base para a produção da diretora sul-mato-grossense. No livro a autora analisa e interpreta contos e histórias antigas e procura identificar o arquétipo da Mulher Selvagem ou a essência da alma feminina.

O projeto selecionou oito contos provenientes no livro, para lançar oito vídeos de contação de histórias, com o objetivo de trabalhar questões emocionais e auxiliar mulheres a resgatar a sua essência primitiva e a valorizar a ancestralidade.

O mecanismo usado na contação de histórias foi de histórias curativas, que têm um efeito terapêutico pois trazem alguma mensagem, ensinamento ou reflexão, seja de forma consciente ou inconsciente ao sujeito que lê ou as ouve. É uma ferramenta utilizada pelo contador de história, biblioterapeuta e arteterapeuta para ajudar pessoas a prevenir ou passar por situações difíceis.

Tatiana de Conto, contatora de histórias do projeto, conta que já havia lido a obra há muitos anos e entende que mulheres assim como ela, poderiam se beneficiar com as reflexões que ele traz. “As histórias já eram íntimas, mas levá-las para a linguagem audiovisual foi um desafio. Nunca tinha trabalhado com luz, elementos cênicos, o repete e faz de novo, neste sentido foi desafiador, pois como contadora de histórias venho de uma tradição de oralidade”, comenta.

Thathy DMeo, responsável pela direção de arte e fotografia, conta que o audiovisual foi explorado de forma sutil, utilizando a cenografia como recurso para gerar movimento junto com a edição minuciosa de cores e jogo de câmara que promovem a atmosfera das histórias.

“O processo da gravação foi desafiador. Encontrar oito locações decentes dentro do mesmo ambiente, pois tivemos que gravar tudo dentro da casa da contadora Tatiana. Exploramos espaços como dentro do guarda roupas, tanque da área de serviço, a bancada da cozinha, tudo alinhado com a direção de arte para ambientalizar individualmente cada história”, destaca.

Miguel Benavides, professor e artista visual, foi o responsável pela edição e efeitos sonoros do projeto e conta que a parceria entre os três é algo esperado há muito tempo. “É uma oportunidade que foi enriquecedora porque colocou alguns desafios enquanto a tratamento de imagem e a criação dos efeitos sonoros. Tentamos sempre manter um equilíbrio entre a linguagem que Tatiana propôs na contação das histórias como no nível de linguagem visual e sonoro”, enfatiza

“Temporada Mulheres que Correm com os Lobos” é uma realização proveniente da Lei Emergencial Aldir Blanc, que apoia a comunidade artística nesse momento de pandemia. Os três primeiros vídeos já estão disponíveis no canal do Youtube Ateliê Histórias Curativas, e o próximo episódio entra no canal nesta terça-feira (08). (Texto: Ellen Prudente)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *