Programa de redução de jornada e salário deve sair do papel

bares e restaurantes

A sanção do orçamento dos gastos públicos do governo no início da semana, destravou as amarras para a reedição do programa de redução de jornada e salário, que dependia, assim como outros pacotes de socorro à economia, da liberação de recursos federais. Setores especialmente afetados pela pandemia, como o de bares e restaurantes, aguardavam a renovação dessas medidas desde o início do ano, quando ficou claro que a crise do coronavírus não daria trégua.

“Faltou um pouco de senso de urgência do governo”, diz Paulo Solmucci, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). Foram feitas várias promessas de prorrogação do programa de redução de jornada nos últimos meses, por meio da criação de créditos extraordinários e outras alternativas de financiamento, sem que se chegasse a um consenso. “Agora, em abril, muitas empresas já estão em sérias dificuldades”, afirma Solmucci.

Segundo a Abrasel, 91% dos bares e restaurantes não conseguiram pagar os funcionários em dia no início deste mês. Em março, 76% dos negócios do setor se depararam com essa dificuldade e, em fevereiro, foram 16%. Agora, a expectativa é aliviar o fluxo operacional a partir de maio, quando a segunda rodada do benefício provavelmente já estará valendo. No ano passado, o programa ajudou a salvar 10 milhões de empregos, segundo levantamento do governo.

De acordo como Ministério da Economia, serão destinados cerca de 10 bilhões de reais à segunda rodada da medida, que deverá vigorar durante quatro meses. Deverão ser seguidas as regras definidas no ano passado, quando o programa foi lançado, com a possiblidade de suspensão do contrato de trabalho ou da redução da jornada e salário, mediante o compromisso das empresas em não demitir. O governo, em contrapartida, cobre parte do salário do trabalhador.

Previsão

Fontes próximas à equipe econômica dizem que a medida provisória de reedição do programa deve ser publicada no decorrer da semana. Caso essa previsão se confirme, os salários de maio já poderão contar com a complementação do governo.

(Com informações da revista EXAME)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *