Morsa pega caronas em navios e já está a mais de 450 km do último avistamento

nAAgZAPGyzyeakjd45AqDH-970-80.jpg

Se não bastasse a situação inusitada de uma morsa estar a milhares de quilômetros do seu local de origem no sair do Círculo Ártico, em uma praia irlandesa no mês passado. Agora ela, está ainda mais distante a mais de 450 km do último avistamento. O que se especula é que provavelmente ela chegou a Irlanda enquanto cochilava em um iceberg à deriva. Agora o restante da aventura foi também surpreendente. Escalando escalando navios que passavam e até adormecendo em uma rampa destinada a botes salva-vidas, ela está cada vez mais distante do lar.

De acordo com a matéria da Live Science, como o mamífero marinho, carinhosamente chamado de Wally, tornou-se uma espécie de atração turística, grupos conservacionistas e autoridades locais estão preocupados que tanta atenção humana possa perturbar a morsa. Eles agora estão alertando os turistas para deixarem as morsas em paz, após relatos feitos no fim de semana da Páscoa de que pilotos de Jet Ski, surfistas e praticantes de paddleboard têm perturbado o mamífero gorduroso e ocioso por chegar muito perto.

Uma menina de 5 anos caminhando com seu pai avistou Wally pela primeira vez em 14 de março; ele foi jogado nas rochas da ilha de Valentia, no condado de Kerry, Irlanda, conforme relatado anteriormente pela Live Science . Ninguém sabe como ele chegou a um destino a milhares de quilômetros de seu ponto de encontro usual no Ártico, mas um biólogo marinho especulou que o animal adormeceu em um iceberg à deriva.

Jornada

Mas a jornada de Wally não terminou naquela praia. Ele viajou 280 milhas (450 quilômetros) mais ao sul, de County Kerry a Pembrokeshire, País de Gales, em apenas seis dias.

Wally, que foi visualmente identificado por um grupo de conservação como a mesma morsa vista na Irlanda, tem causado confusão ao pegar carona em navios que passavam. As incômodas tentativas do mamífero do tamanho de uma vaca de entrar a bordo de um bote acabaram virando-o, disseram testemunhas.

Uma declaração conjunta emitida pela RSPCA, Tenby Harbor Master, Welsh Marine Life Rescue, Tenby Lifeboat Station, British Divers Marine Life Rescue, Natural Resources Wales e CSIP Marine Environmental Monitoring alertou os turistas para não se aproximarem muito de Wally, que é protegido pela Lei de Vida Selvagem e Campo de 1981.

“Entendemos que é emocionante e incomum ter a morsa morando temporariamente em Tenby, e que durante o fim de semana do feriado, muitas pessoas podem querer visitar a área na esperança de dar uma olhada nele”, disseram eles no demonstração. “No entanto, é do seu interesse ser deixado sozinho o máximo possível, por isso pedimos às pessoas que se lembrem de que ele é um animal selvagem e evitem a tentação de se aproximar dele e perturbá-lo.”

A declaração chamou especificamente os recreacionistas das águas próximas. “Estamos muito preocupados em ouvir relatos de que algumas pessoas tentaram chegar perto dele usando jet skis ou remo e pranchas de surf – isso realmente não é do seu interesse e pedimos às pessoas que ajam com responsabilidade neste fim de semana e se elas se encontram na área, para apreciá-lo à distância “, disse o comunicado.

É raro que as morsas sejam vistas tão ao sul do Círculo Polar Ártico, onde normalmente caçam moluscos em águas rasas e descansam em praias próximas e icebergs. O primeiro avistamento de morsas registrado ao longo da costa irlandesa foi em 1897. Desde então, menos de duas dúzias de morsas adicionais foram avistadas na Irlanda, informou a Live Science anteriormente .

As morsas não são o único animal do Ártico que tirou férias ao sul: em 2018, uma baleia beluga foi vista ao largo de Gravesend, em Kent, e em 1949, dois narvais apareceram no canal Tâmisa e Medway. Veja abaixo uma bebê morsa.

https://youtu.be/5kvqUrmQgHw

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *